Janela verde

 
As janelas são olhos nas paredes que espreitam as ruas com a curiosidade metediça das vizinhas. Enquadram o mundo como quem o quer pôr em ordem. E ficam verdes de inveja quando passam as nuvens.
  clik1      clik2      clik3      clik4      clik5      clik6      clik7     

Andaluzia

 
clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6    clik7

Paisagem com barco II


Os barcos são criaturas que nos invadem o imaginário.  Dominam a paisagem com promessas de evasão. São pontes sem pilares que atam as pontas soltas das margens. Tapetes flutuantes de todas as possibilidades de aventura.
E o que é que isso interessa às gaivotas?
       um clik  

Las meninas


Para onde olham elas, as meninas à janela?
  clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6

Arsenal 5/1260

Processo de extinção.  clik1  Constituição da Arsenal do Alfeite, S. A.   clic2
Crime consumado!

Península Ibérica

Terra de marinheiros valorosos, descobrimos o mundo. Fizemos a Terra grande e redonda. Reinventámos o colonialismo, a tourada e a sesta. Criámos a globalização. Lutámos como irmãos desavindos mas construímos pontes onde antes havia fronteiras. Conhecemos a fome com Salazar e Franco. Entrámos juntos na Europa e somos a sua colónia de férias. 571 milhões falam as nossas línguas. Gostamos de vinho tinto e de falar alto. E gostamos do mar.
porque me pediram:  clik1     clik2    clik3      clik4     clik5     clik6     clik7   

Mundos Paralelos

Há mundos paralelos, criaturas invisíveis, seres diáfanos que passam à nossa porta. Todos os dias nos cruzamos com o indizível, com o numinoso. Por todo o lado há sinais, rastos das suas presenças. Provas que afirmam as suas existências secretas. Pegadas. São tão reais como nós, embora diferentes de nós. Somos-lhes tão estranhos como eles o são para os nossos sentidos. E no entanto, não precisamos de nenhum equipamento especial para ver os outros. Basta olhar.
  clik1    clik2    clik3    clik4    clik5

Paisagem com cão


Viajar é um vício. Um pecado mortal não contabilizado. Pior que os sete capitais, porque os provoca. Pode ser luxúria, orgulho, gula, mesmo inveja.
Viajar é uma forma de entender o mundo, de aproximar as pessoas. Viajar é liberdade. E é contra isso que se inventaram as fronteiras. Hoje, até os cães precisam de passaporte.


 clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6    clik7    clik8

O melhor do mundo

 
Há coisas no mundo que são universais: o vento, o sangue, a febre, a voz, o medo, a pobreza, o riso, a crueldade, a fome, a terra, o ódio, a noite, a dor de dentes, o sono... "mas o melhor do mundo são as crianças"
  clik1   clik2   clik3    clik4    clik5

Dirt


Há pessoas que fazem trabalhos que nós nem imaginamos, trabalhos a que nem sequer nos damos ao trabalho de querer saber. Na Índia são intocáveis. Por cá, são imigrantes.
clik1   clik2   clik3   clik4   

Jangada


Há dias em que andamos à deriva, náufragos de tanta luz.

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6    clik7

O fim da utopia


Berlim 1990.
O centro do mundo já passou por aqui, várias vezes. Foi capital do mal absoluto e centro de toda a esperança. Foi exemplo aclamado de virtudes e exemplo apontado de ódios. Dividiu opiniões, pessoas e países muito para além dos limites daquele muro. Muro que continua a crescer noutros lugares, para vergonha nossa.
A mim faz-me lembrar porque não gosto de utopias: são sempre o sonho de alguém imposto aos outros, pela força.
clik0    clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6    clik7

A cidade maquilhada

Pintar a cidade de cores fortes. Exagerar. Aplicar camadas de base, cobrir manchas, rugas, imperfeições, olheiras e medos. Realçar com lápis, contornos e caminhos, becos e logradouros. Usar rímel para acentuar as sombras dos prédios, quiosques e antenas. Para parques e jardins usar um blush, o melhor é escolher um tom intenso e versátil entre o rosa choque e o pêssego histérico. Nos rios, lagos e fontes, deixar a tinta correr. Realçar a beleza das janelas, com tons que complementem a cor das mesmas, ou que as contrastem vivamente. Pintar os olhos e o céu. Usar batons ou gloss, a gosto, de forma abundante e indiscriminada. E tinta, muita tinta no chão das avenidas.
Entrar na cidade, sem mapa e perder-me intensamente nas ruas.

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6    clik7

Skyline

Há dias claros que parecem nublados. Dias que perdem cor e detalhes e deles só vemos os contornos. Dias em que amanhecemos de óculos de sol. Cataratas à espera de cirurgia. Há dias em que as pessoas não chegam a ser gente. Borrões na paisagem. Sinais ortográficos. Um rumor ao longe, como o mar. E entre eles e eu, uma enorme praça em que não convido ninguém a entrar.  

clik1     clik2     clik3