Tu!


Olho-te: amplexo ocular.

(hoje os clikes são por minha conta, ou não, sei lá...)
clik1    clik2    clik3    clik4    clik5     clik6    clik7    clik8    clik9    clik10     

e o quadrado branco


Olho à minha volta e descubro-os por todo o lado. De todas as cores. De todas as formas. Quadrados.

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikRaq    clikCristina    clikAnaBarata    clikMantinha    clikChapa    2ºclikChapa    clikAnaC      

Matéria Negra


percorro lugares inconfessáveis como se soubesse para onde vou (eu que sou um mestre naquilo que não sei fazer) desbravando às cegas, labirintos sem mistério

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikRaq    clikLee    clikLi    clikChapa    2ºclikChapa    clikCristina    clikChocoLoco    clikChocopics    clikChocofrito    clikLoco    clikAka    clikres    clikCh    clikque    clikÉ    clikAnaBarata   

"Respirar debaixo de água"


Pensei neste nome e só depois é que me apercebi que é o título de um filme - clik2. Mais uma prova de que já tudo foi inventado, resta-nos glosar o mote. Baralhar e dar de novo.
Ainda a água - é o que faz viver entre o Tejo e o mar. Desta vez não são sombras ou reflexos a inventar caligrafias indecifráveis na superfície. É o resultado da impiedosa luz do meio-dia, luz que revela e queima e se afirma como quem não quer passar despercebido, brilhante e ruidosa como a esposa de um novo rico a chocalhar as pulseiras. Não sei como nomear esta luz. O JMV, administrador do belogue Ruinologias, esboçou um tratado de classificação das qualidades da luz, mas não me parece que esta lá esteja. Os fotógrafos procuram luzes mais misteriosas mas mais dóceis. Suaves, acetinadas, quentes... mas não esta implacável luz do meio do dia. Preferem almoçar.

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikCi    clikQuinito    clikChapa    clikLi    2ºclikLi    clikMantinha    clikAnaBarata    clikRaq    clikCristina

A minha rua


clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikLi    clikEstouNessa    clikChapa    clikPC    2ºclikPC    clikMantinha    2ºclikMantinha    3ºclikMantinha    clikCristina    clikRaq    clikAnaC    2ºclikAnaC    3ºclikAnaC    

“Não conto do meu vestido”



Procurei a canção do Luís Cilia com, salvo erro, a Lia Gama, mas não consegui encontrar. Fica o poema no clik1.


clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikPC    2ºclikPC    clikChapa    2ºclikChapa    clikLeonardo     clikCi    clikAnaBarata    clikCristina    2ºclikCristina    clikRaq      

Peep Show


clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik6    clikChapa    clikCi    clikPrimo    clikAnaBarata    clikRaq    clikPC    clikCristina

El vestido blanco de Carmen


Madrid, El Carmen, Calle Alcalá. Muchas gracias. 
clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikClarice    clikAnaBarata    clikCristina    clikChapa e PC    clikRaq    clikAnaC    clikCi

Espaço vermelho entre as nuvens


Fotografia para a Ana Barata, pois claro.

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikMicha    clikMerce    clikRaq    clikCristina    clikAnaBarata    clikSilvares