Vigilantes


clik1    clik2    clik3    clik4    clikMicha    clikChapa    2ºclikChapa    clikAnaBarata    clikCristina    2ºclikCristina    clikLi      

Perfume


É estranha a cor da terra nestes dias em que o calor desenha fantasmas de luz a meio caminho do horizonte e o chão exala um cheiro a lábios gretados e ao uivo surdo da sede. Ao longe, o canto das cigarras incendeia as asas dos pássaros que explodem no ar com um ruído de ossos partidos e folhas secas. O alcatrão derrete-se como chocolate negro, lodo nos sapais que agarra pés incautos e os puxa e afunda no hálito a ervas podres e enxofre dos pântanos. É com este tempo que se faz o sal, no rosto dos homens, nas axilas das mulheres. 

Ah, as férias à beira mar. 3


Não, não é no Japão, e juro que também não é em Armação de Pera.

Óleo sobre tela


para o rapaz Ruim, porque sim

(A tela é da Emília Morais)

clik1    clik2    clik3    clikDeslizante    clikQuinito    2ºclikQuinito    clikCristina  

Ah, as férias à beira mar. 2


Estava eu no outro dia em cima de uma espécie de rocha, promontório ou arriba ou lá que acidente geológico era aquilo, com o meu livro sobre aves marinhas, os binóculos, a máquina fotográfica no respectivo tripé com uma rede camuflada, genuína, por cima, uma sandes de queijo da ilha com marmelada embrulhada em prata, no bolso, e o termos de vinho com gasosa, fresco; estrategicamente colocado, como manda o manual, para observar os pássaros. Eis se não quando, ao avistar um brilho de asas que assim de repente e à vista desarmada, me pareceu de uma ave rara, oiço o ruído inconfundível de um motor a diesel a aproximar-se da borda da ravina, onde se deteve numa chiadeira de travões, pó no ar como numa tempestade de areia, para, logo a seguir, um potente veículo regurgitar um bando de criaturas bípedes e barulhentas. O brilho de penas, ia jurar que eram verdes, pois, nunca mais o vi. Comi a sandes, bebi o vinho, com gasosa, ainda fresco e, olhem, fui-me embora, fotografar a brigada das gaivotas a limpar os restos de um dia de praia.
clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clikChocoOrnitorrinco    clikChapa    2ºclikChapa    clikCristina    2ºclikCristina      

Ah, as férias à beira mar! [(wish to be) Lost #XVI]

Cheguei ontem ao Sul já pela noite dentro. Comecei hoje o meu primeiro dia de trabalho; sim, não pensem que uma ida à praia é uma tarefa simples. São inúmeros os pormenores a que é preciso dar atenção: toalhas, uma, grande, para me deitar e outra, mais pequena, para limpar a água do corpo; os 4 pares de óculos, os de longe, os de perto, os de sol e os de mergulhar; protector solar para o corpo e para o rosto; chapéu; água fresca; o 2º par de calções de banho; chinelos; o mp3; caderno e lápis; telemóvel; almofada insuflável; máquina fotográfica ou não, a indecisão do costume, hoje não veio, amanhã talvez; estojo de primeiros socorros com o mínimo indispensável, os antiestamínicos, o roll-on para as picadas de insectos, o spray para as picadas dos peixes-aranhas e o repelente de tubarões, comprado no ebay, pois nunca se sabe; carteira com moedas para as bolas de Berlim; o livro sobre aves marinhas e os binóculos. Ah, e a lancheira com os habituais jaquinzinhos de escabeche feitos ontem – são sempre melhores de véspera, pão saloio, linguiça de porco preto e vinho com gasosa, fresco, dentro de um termos de chá para não aquecer.
Depois de tudo arrumado, espero não me esquecer de nada, lá fui para a praia. Tivemos sorte, só 51 minutos para estacionar e nem sequer muito longe, 14 minutos até à beira da água, o pior foi passar aquela parte da areia a escaldar, como é que aqueles tipos caminham sobre brasas como vi na televisão?! Finalmente lá se estendeu a toalha, espalhou creme pelo corpo, creio que seria mais fácil sem areia… e a tarde até se passou de forma agradável, só me acertaram três vezes com bolas, duas, daquelas pequenas das raquetes e uma grande e vermelha. O cão não me mordeu quando o enxotei por ir alçar a perna na minha lancheira. A maré de banhistas foi crescendo ao ritmo habitual, até ao ponto em que acordei com as cócegas de pelos nos pés que afinal eram o cabelo armado de uma senhora gorda e não outro cão. Uma avó distribuía sandes pela família e migalhas pela minha toalha e uma criancinha de 4 ou 5 anos, mas com pulmões de 10, entornou-me o baldinho com água em cima “olha o que fizeste molhaste o senhor o que é quer são crianças uns anjinhos mas é preciso andar sempre com o olho neles estes malandros que me dão cabo do juízo tira isso da boca que é porcaria”. Foi, foi uma boa tarde de praia. E tenho a certeza que seria melhor se, ao regressar, o carro não estivesse bloqueado por uma carrinha de caixa aberta com sacos de batatas e melancias.


clik1    clik2    clikChapa    2ºclikChapa    3ºclikChapa    clikQuinito    clikAmorena    clikTeca    clikCristina     

Morde aqui…

 
clik1   clik2    clik3    clik4    clik5    clikMicha    clikQuinito    clikBart    clikCristina   

Aparição


Já repararam como é muito mais fácil caçar fantasmas do que saber a verdade verdadeira por trás da história dos submarinos (e do Freeport e da Face Oculta e do Apito Dourado e da Casa Pia e...) ?!

clik1    clik2    clik3    clik4    clik5    clik5a    clikCristina    clikChapa    clikQuinito