Measuring Shadows

falo-te  (a ti que sabes do que falo)

falo-te da luz que me cega até ao alívio do ocaso
do vento gelado que prende os pássaros ao chão e
verga os homens sob o peso do céu
tão baixo
as chaminés das casas a furarem as nuvens como os ossos
à pele...

não te conto das cores que não passam de feridas que a
luz arranha e os homens nomeiam
com o desacordo do costume
onde vês branco eu digo página
e o teu negro é para mim um mapa a prometer
caminhos…  

interessam-me pouco as flores
menos as que ofereço 
e a memória dos cravos
e a memória que os cravos recordam
quando o tempo cheirava a futuro e os dias
não se esgotavam
como um casaco no fio a revelar a geografia dos ossos…

embrulho-me no Inverno contra o excesso de cor
a mão na mão do frio e o vento
é o guia que conduz o chão
até ao aconchego dos meus passos
pelos caminhos seguros da noite…


clik1    clik2    clik3    clik4    clikCybeRider    clikSusanne    clikChapa    clikRemus 

13 comentários:

the dear Zé disse...

o texto, a bem dizer, não tem nada a ver com a fotografiazinha, mas vai na mesma porque sim, ora...

Photo Attraction disse...

A fotografia é fabulosa e o título está a condizer. Uma simbiose perfeita!

the dear Zé disse...

obrigado

CybeRider disse...

E se tudo se mistura? A sombra maior, porque o sol, de esguelha, também acobardado, lhe foge e se esconde mais cedo. E se for a nós que caiba a construção da natureza e também nos escondermos trémulos à mercê das impávidas forças celestes?

E se for assim que se faz o mundo, centímetro a centímetro, camada por camada, como uma sombra que nos devora, mas tivermos apenas medo ou rebeldia?

http://www.youtube.com/watch_popup?v=u90qRE2F7CM

Abraço

L.Reis disse...

A "fotografiazinha" já me bastava para me deixar assim naquele estado de "boquiabertamento" completo sem encontrar umas palavrinhas que se alinhem numa frase à medida…ainda estava eu a digerir o facto e eis que me escorregam os olhos para o negro da página e para o abismo das palavras…e olha…ainda estou a cair…quando conseguir voltar cá acima aviso.

Susanne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Chapa disse...

Magistral miúdo cidadão!
Quero ver quando ganhas coragem para enfrentar umas folhas brancas e converter em livro muitos destes textos e palavras.
http://youtu.be/GqYnMOpV4Io

Chapa disse...

...e photos também!

Remus disse...

É tudo uma questão de tamanho e de jeito.
E nisso, está visto que o amigo Zé tem.
:-)

http://youtu.be/T14rYqaqm_U?t=7s

ZEKARLOS disse...

Muito bom, eu tenho inveja desta foto. Abraço

XuanRata disse...

Pared con cremallera y una sombra que desvela la estructura abierta del árbol, otra cremallera que se abre y se cierra con el cambio de estación. Una foto repleta de aberturas por donde penetra la emoción de las palabras.

Un abrazo.

João Menéres disse...

"Isto" é F O T O G R A F I A !

E mais não digo...

Grande abraço.

the dear Zé disse...

ok. está tudo dito.

obrigado e gracias a tout le monde