Um dia na ferrovia



O comboio segue em frente com passageiros de frente para a frente e outros de costas para a frente. Uns avançam com a frente para a frente e outros recuam para a frente ou avançam de costas para a frente que está por detrás da frente dos que estão à retaguarda dos seguem de costas para a frente. Eu sou dos que recuam de costas para a frente e olho para a menina do lado que como eu avança para trás que é a frente do comboio que não é  um comboio mas uma automotora que leva passageiros de frente e de costas e a menina do lado que lê um livro sentada num banco de madeira e ferro bifacetado com frentes para a frente e para a retaguarda. Eu penso na menina do lado e o comboio avança com a menina do lado de costas à minha esquerda e eu vejo a menina do lado sentada num livro a ler o comboio que é uma automotora e eu vou sentado de costas a pensar para a frente e a olhar de lado para o comboio-automotora que avança na menina do lado que lê um livro bifacetado com costas e frente para onde vão sentados os passageiros que recuam e avançam para a frente do banco da menina do lado que vai nua no meu colo de lado para a minha frente que vai de costas para as costas dos que estão de frente para a frente do comboio que não é um comboio mas uma automotora e que já chegou ao Barreiro...

clik1    clik2    clik3    clik4    clikCybeRider    clikChapa    clikRemus    clikSusanne    2ºclikSusanne    clik13 

10 comentários:

L.Reis disse...

Credo, a partir de hoje só vou andar de lado, alguém me vai internar e de certeza que não vou chegar ao Barreiro, mas pelo menos não fico assim despedida: sem à frente e sem atrás.

:)

Beijo lateral.

the dear Zé disse...

olá sou eu, o coiso deste belogue, só queria dizer uma palavrinha sobre o textozinho deste posto, é o seguinte: essa coisa foi escrita há mais de uma carrada de anos e encontrei-a por acaso e resolvi dar-lhe uma vida nova aqui no éter da belogosfera. espero que não se sinta assim muito baralhado que é dos tempos em que a gente não tinha computadores quanto mais internet...
e foi mesmo escrito no comboio, perdão, automotora, para o Barreiro.
é isso, bêjos e/ou abraços

CybeRider disse...

Gosto, quando discorres de forma tão esclarecedora sobre um tema. A particularidade do detalhe é tocante. Mesmo sem bússola não haverá como enganar, o lugar em que seguias era o 25 da carruagem 2. Acho que até a locomotiva ficou sem fôlego.

http://www.youtube.com/watch?v=yJkmHQ2q--I

Abraço

Chapa disse...

Bem me parecia que já conhecia esta viagem, do tempo em que as automotoras eram uma alegria. http://youtu.be/1d9TyJ04MeI

Angel Corrochano disse...

Narrador de historias y poeta visual. Un alarde de técnica multidisciplinal, compadre
Un abrazo

Remus disse...

Fiquei com um nó no cérebro. Isto foi escrito à uma carrada de anos e sobre efeito de alguma coisa psicotrópica. Não?
:-P

Fiquemos com o apita o comboio que já não é nada mau.
http://www.youtube.com/watch?v=zJs8fNhH3Ik

the dear Zé disse...

olá, sou eu outra vez, reparei agora - disseram-me - que não se percebe nada disto e vou a ver e o texto estava todo desformatado, sei lá como, cheio de erros e omissões de palavras e ainda mais incompreensível.
pronto, já emendei e peço desculpa (não percebo como é qu'isto aconteceu mas é bué estranho é sim senhora)
e bêjos e/ou abraços

Susanne disse...

beautiful image

I don't think you can imagine the text translated into Swedish
thought I was crazy

http://www.youtube.com/watch?v=w0N-l0tCHhM

kiss

Susanne disse...

http://twistedsifter.com/2014/01/40-years-of-london-underground-photography-bob-mazzer/

Anónimo disse...


O grande John Coltrane - Blue Train

http://youtu.be/-ebhNbHuuWs

Abraço
13