é quando as memórias te ardem nos olhos que deves olhar o fogo


e o circo é sempre a memória da minha avó e a minha mão pequenina na mão da minha avó tão pequenina a entrar na tenda enorme a escorrer todas as cores as únicas cores da minha infância naquele tempo em que tudo era cinzento tão cinzento que até o nariz vermelho dos palhaços me parecia um milagre a reluzir espíritos santos de lantejoulas ao som de chapadas nas caras brancas e saxofones roucos e quentes a sair das bocas abertas dos leões montados em bicicletas impossíveis com os guiadores para a frente onde se equilibrava uma família inteira mais um cão de chapéu bicudo de palhaço rico a fazer o pino e mulheres de pernas longuíssimas a voarem no trapézio como quem desafia a gravidade da lei do cinzento em rodopios de vertigem presas pelos cabelos num único raio de cor
(Circo Quinito. Finais do séc.XX. Alentejo)

clik1    clik2    clik3    clikSusanne    clikMicha     ???

2 comentários:

Susanne disse...

https://www.youtube.com/watch?v=1nOVc-iCyM8

Micha disse...

Grande hunter! Happy new year!
https://youtu.be/O_yVo3YOfqQ